terça-feira, 22 de março de 2016

O Jovem que engana o Enganador Tanuki. (Parte 01)

Eis as características para  se conhecer um verdadeiro Tanuki (Texugo), o rei da enganação:
1- O chapéu de bambu em cone: contra os acidentes imprevistos.
2- Seus olhos vivos e grandes: para dar uma boa olhada em volta de si antes de tomar a decisão certa.
3- Sua expressão divertida e ao mesmo tempo marota:demonstra que devemos ter sempre o gosto de trapacear pela graça da coisa e pelo prazer da vida.
4- A garrafinha de saquê: garante que o esforço do dia a dia, isto é, a persistência, traz resultados satisfatórios e proporciona o aprimoramento.
5- O livro das contas: comprova a confiança do vendedor em si e o sucesso financeiro.
6- A barriguinha preponderante: demonstra a serenidade e o equilíbrio nas decisões que deverão ser tomadas.
7- O saco de dinheiro: representa o sucesso financeiro e a astúcia, deve ser usado com parcimônia e sem desperdício.
8- A cauda grossa com ponta fina: expressa a necessidade de se concluir com perseverança a determinação todas as tarefas iniciadas. Mas fique bem claro, que a tarefa seja sempre a de enganar alguém.



  Em suma, o Tanuki seria o travesso Zé Carioca Japonês, o nosso folgado papagaio brasileiro em forma de texugo. Esse animal encantado possui forte queda por bebidas, comida e mulheres, não necessariamente nessa ordem. Está sempre com uma garrafa de saquê debaixo de um braço e uma nota promissória debaixo do outro - uma conta que ele nunca paga, apesar de ter o dom de transformar folhas de árvore em notas de dinheiro.
  O Tanuki desta lenda morava numa caverna na floresta e tinha o prazer em se transformar, entre outras coisas, em um conhecido samurai assassino, célebre pelas matanças que ele praticava pelo simples prazer de provar o afiado fio de sua katana, ou para treinar a sua habilidade no manejo da espada. E, principalmente, pelo prazer de ver o terror estampado no rosto do viajante.
  Assim, quando um peregrino passava pela estrada da floresta era surpreendido pela aparição repentina do temido samurai que, de katana em punho e trajando a grande armadura, exclamava com voz grave e apavorante:
  - Hora de morrer, viajante! Chegou o seu fim! Prepare-se para esvaiar-se em sangue pelo fio afiadíssimo de minha katana.
  Os viajantes, quando não morriam de medo ou desmaiavam de susto, saíam correndo e gritavam apavorados, urinando nos tamancos e deixando atrás de si seus pertences, sem ter a menos noção de que tudo não passava de uma ilusão criada por um divertido animalzinho.
  Ao ver as pessoas fugindo espavoridas, o tanuki, grande apreciador do ridículo, rolava no chão de tanto rir. Ocultava, então, na caverna os objetos de valor e logo em seguida estava pronto para apavorar o próximo peregrino ou cavaleiro.
  E assim o texugo passava seus dias na floresta, divertindo-se de viajante em viajante. Todos caiam na sua armadilha, feito patinhos. Todos, menos um, Hikoichi. O Garoto excepcionalmente vivaz e inteligente e que, por isso o chamavam de Hikoichi, cujo significado é "O primeiro dos Inteligentes". Esse garoto era o calcanhar de Aquiles do texugo.
   - Ah maldito, maldito, maldito! resmungava o texugo em chiliques a cada vez que vinha a mente o esperto e escorregadio garoto.
  Numa bela noite, o tanuki sentiu uma vontade urgente de enganar o garoto para poder voltar a dormir em paz. Como sabia que o menino não iria atravessar a floresta nessa terrível noite de inverno, disse: - Se Hikoichi não aparecer na floresta, hoje mesmo eu vou até a casa dele pregar-lhe uma boa peça, pois não conseguirei pregar o olho até vê-lo consumido em profunda irritação.
  O texugo largou tudo o que tava fazendo e, passando a mão na afiadíssima katana sanguinolenta, foi até a aldeia próxima.
  Parou diante da morada de Hikoichi, onde ele habitava com sua mãe viúva, e espiou por uma fresta. O menino estava cochilando sentado em frente a um irori, aquecedor de brasas. Bateu na porta e o garoto prontamente foi atender. Quando abriu, la estava o samurai trajando a grande armadura e empunhando uma katana que pingava sangue.
  Hikoichi, que morava na entrada da aldeia, várias vezes havia dado abrigo a viajantes que pareciam lívidos e espavoridos, dizendo terem sido atacados pelo temido samurai assassino. Vendo que a figura do homem a sua frente era tal qual a descrição dada pelos andarilhos, não foi difícil para o esperto menino concluir que se tratava de um truque do tanuki. "Suspeito de alguma sacanagem a vista", pensou o garoto, uma vez que sabia que até aquela data ninguém tinha sido ferido por esse suposto guerreiro que se dizia tão cruel e perverso.
   - Por favor, meu bom homem, entre e venha se aquecer no irori. Está tremendo de frio, convidou amigavelmente.
   - Bom homem? Sou o sanguinário samurai assassino e venho para matá-lo. Assassiná-lo. Esquartejá-lo. Entendeu, pedaço de carne humana? - bravejou o tanuki, com uma voz rouca e apavorante. Erguendo a katana até o pescoço do menino, acrescentou: - Chegou o seu fim, fracote. Prepare-se para morrer pelo fio da minha afiadíssima espada, com meu poderoso golpe mortal.
   - Mas antes de matar e esquartejar, por favor, senhor sanguinário samurai assassino, entre e se aqueça no fogareiro - convidou o garoto lhe dando passagem -, pois esta muito frio ai fora.
   Desarmado ante a tranquila reação do garoto, o Tanuki tornou a embainhar a arma, desenxabido. Afrouxou o fecho do capacete como um bêbado afrouxa a sua gravata, deu um longo gole na garrafinha de saquê que tinha a mão e entrou de cabeça. Espraiou os olhos em volta da confortável casa,  quentinha e bem cuidada, pensando, "Tenho que encontrar um jeito de desbancar esse covarde metido a herói. Herói aqui só eu! Mas, tenho que ir com cuidado, que não se deve apertar demais um covarde que é capaz dele ficar valente."
   A um gesto do garoto o visitante sentou-se a beira do aquecedor e comeu a contra gosto os bolinhos de arroz que ele lhe ofereceu. Depois de comer e dar mais um gole no seu saquê para descer os bolinhos, o texugo-samurai perguntou, como quem não quer nada: - Você é um bravo garoto! Não teme coisa alguma - disse fingidamente.
   Hokoichi percebeu que estava sendo sondado pelo texugo e respondeu:
   - Bem, para falar a verdade, não temo quase nada... Exceto uma coisa. Esta, sim, me apavora. Mas trata-se de um segredo, não posso contar para ninguém.
   - Ora, pode confiar em mim, que minha boca é um túmulo, mesmo porque você é o único ser que tem a audácia de conversar com um samurai assassino e perigoso como eu.
   - Bem, sendo assim, vou lhe contar: Tenho medo de manju, disse referindo-se a um doce a base de feijão azuki.
   Está zombando de um poderoso assassino esquartejador? - irritou-se o samurai-texugo, apertando o punho da katana, já pronto para desembainhá-la novamente. - Como uma criatura haveria de ter medo de manju?
   Por favor, não fique repetindo esse nome que só de ouvir falar, já estou cheio de alergias e tremor no corpo inteiro. É um veneno para mim, tranca a minha garganta, me sufoca. Uma vez tive a desgraça de comer uma colherada e fiquei tossindo engasgado, com o rosto vermelho, congestionado. Não morri por pouco.
   Vendo que o menino parecia mesmo apavorado, o texugo deu-se por satisfeito. Despediu-se e foi embora, só não abanou o rabo de feliz porque no momento não tinha um.
   Na manhã seguinte, quando Hikoichi abriu a porta, deu de cara com uma imensa tijela cheia de manju.
   - Ótimo! - exclamou o garoto. - Aquele texugo-pato caiu direitinho - e ele e a mãe atacaram o prato, deixando-o limpo e dando gostosas gargalhadas.
   O texugo, que aguardava escondido para ver o resultado do desaforo, ao ver tal desfaçatez, ficou mordendo a cauda de puro ódio.
   - Seu filho de uma anta gorda! - voiciferou entredentes pronto para tirar adesforra ali mesmo no ato. Mas se conteve, e disse, recuando o passo - Se eu for paciente em um minuto de raiva, irei escapar de mil anos de arrependimento.
   Mas o tanuki não seria um tanuki se não saísse dali já maquiavelando um novo e infalível plano para enganar Hikoichi, o primeiro dos inteligentes.

***

E ai pessoal, acham que o Tanuki consegue? Irão saber no próximo post :3
Comentem em nossa página.
Até a próxima!

Nenhum comentário:

Postar um comentário