sábado, 12 de setembro de 2015

Izanagi & Izanami - A criação Do Japão


Segundo a mitologia japonesa, após “A criação do Mundo e dos Deuses”, os deuses Izanagi (“Aquele Que é Convidado”) e Izanami (“Aquela Que Convida”) criaram o Japão e muitos dos seus deuses. Muitas histórias sobre Izanagi e Izanami são contadas em duas obras, o Kojiki (Registros dos Assuntos Antigos) e o Nihongi (Crônicas do Japão), fontes de onde é haurida toda a antiga mitologia japonesa. Um desses mitos descreve como esses deuses descem ao Yomitsu Kuni, o “submundo e a terra das trevas”.

Izanagi & Izanami e a Criação das Ilhas:



Dentro da mitologia japonesa, os deuses Izanagi e Izanami foram os encarregados pelos “Deuses Primordiais” de formar uma série de ilhas que converteriam no que hoje é o Japão. Posterior à criação do Japão “Kuniumi” (criação do país), seriam então criadas pelos Deuses as “Ilhas”. Para ajudá-los em sua divina tarefa, “Ame-no-nuboko” (A Sagrada Lança) que era toda coberta de pedras preciosas, foi entregue ao casal.
Izanagi e Izanami estavam a postos na ponte flutuante do céu e, com a lança sagrada em punho, agitaram o oceano. Quando eles levantaram a lança, as gotas que caíam de volta para a água coagularam e formaram a primeira terra firme, uma ilha chamada Onogoro-shima “Espontaneamente Coagulada”. Logo após a formação desta ilha, ambos os Deuses desceram do céu, edificando de maneira espontânea um augusto altar chamado “Yashidono”; uma augusta coluna celeste chamada “Ama-no-me-hashira”; e, ao redor desta, uma augusta sala de oito brazas. Deram então início, após estes atos, a uma conversa:

Izanagi: — De que forma teu corpo tem se formado?

Izanami: — Meu corpo está completamente formado, mas há uma parte que não tem crescido e está fechada.

Izanagi: — Meu corpo igualmente está totalmente formado, mas tem uma parte que tem crescido demasiadamente. Assim, penso que se introduzir “aí” a parte de meu corpo que tem crescido demasiadamente, procriaremos as Ilhas. O que acha?
Izanami aceitou a proposta de Izanagi e este fez outra proposta, para que ambos girassem ao redor da coluna Ama-no-me-hashira. Izanami para direita e Izanagi para a esquerda. Então, ao se encontrarem realizariam a procriação. No entanto, depois de ter-se encontrado no pilar, Izanami foi a primeira a falar.

Izanami: — Oh, em verdade, és um jovem formoso e amável!
Depois Izanagi: — Oh, que jovem mais formosa e amável!

No entanto, Izanagi repreendeu Izanami dizendo: — Não é correto que seja a mulher quem fale primeiro!
Apesar disso, ambos consumaram o ato da procriação, sendo que mais tarde, de maneira repentina, engendraram um filho chamado Hiruko “Menino sanguessuga”. Este foi posto em uma barca de juncos, sendo arrastado pela corrente. Depois deram nascimento a Ahashima “Ilha de Espuma”. Porém, por sua estranheza, tanto Hiruko como Ahashima não foram considerados filhos legítimos de Izanagi e Izanami.
Mais tarde Izanagi e Izanami conversaram a respeito do problema de ter engendrado filhos imperfeitos e decidiram ir a “Takamagahara” (Planície dos Céus Elevados) para consultar os Deuses Primordiais. Os deuses, mediante a adivinhação, responderam-lhes que a razão do problema era porque a mulher tinha falado primeiro (Na cultura dos antigos japoneses, a mulher só falava depois do homem e só podia andar atrás do homem, nunca ao seu lado). Assim, o casal de deuses voltou a Onogoro-shima e novamente giraram sobre a augusta coluna de Ama-no-me-hashira e ao se encontrarem, Izanagi foi o primeiro a falar seguido por Izanami. Ao terminar, realizaram a augusta união entre ambos e assim começaram a procriar as Ilhas para trazerem novas gerações e novas terras a partir da Terra.

A Criação dos Deuses (Kamiumi) 

Izanami logo deu à luz oito filhos adoráveis, que se tornaram as ilhas do Japão. Izanagi e Izanami, então, criaram muitos deuses e deusas, para representar as montanhas, vales, cachoeiras, rios, ventos e outros recursos nativos do Japão. Dentro da mitologia japonesa, o episódio da Criação dos Deuses “Kamiumi”, ocorre posterior ao nascimento das ilhas do Japão e referem-se ao nascimento das deidades filhos de Izanagi e Izanami.
No entanto, durante o nascimento de Kagutsuchi, o deus do fogo, Izanami teve seu corpo gravemente queimado, ferindo-a mortalmente. Izanagi, ao ver morrer a sua amada esposa, ficou possuído por um ódio insano; Tomou sua espada de dez palmos e assassinou Kagutsuchi, despedaçando-o. Do sangue e dos restos de Kagutsuchi, também nasceram outras variedades de Deuses. Mesmo em seu leito de morte, Izanami agonizante continuou a gerar deuses e deusas, e ao chorar sua morte, ainda outras divindades emergiram das lágrimas do aflito Izanagi.

A descida ao Yomitsu Kuni “o submundo” :

Quando Izanami morreu, ela foi enviada ao Yomitsu Kuni (mundo dos mortos). Izanagi desesperado decidiu cruzar as portas do submundo com a missão de trazer sua amada de volta…
Izanami cumprimentou Izanagi das sombras enquanto ele se aproximava da entrada do Yomi. Ao encontrar Izanami, o deus lhe disse: “Os países que tu e eu criamos ainda não foram totalmente terminados. Voltemos”. Izanami respondeu-lhe: “Meu senhor e marido, que lástima, por que tua vinda é tão tarde? Eu já comi da comida do Mundo de Yomi!… No entanto, vou me consultar com as deidades daqui. Peço-te que de nenhum modo me olhes”. Dizendo isso, Izanami adentrou no submundo desaparecendo nas trevas.
Não obstante, passava o tempo e Izanami não regressava, Izanagi começou a se desesperar. Angustiado com a demora e determinado a encontrar a esposa, Izanagi acendeu uma tocha e olhou dentro do Mundo de Yomi. Mas ao olhar mais de perto se surpreendeu com a imagem aterrorizante, viu que sua amada esposa já não era a mesma, Izanami agora era um cadáver em decomposição. A deusa de outrora, tão bela, tinha se convertido em um ser cadavérico e parte de seu corpo já estava putrefato e cheio de vermes. Sobre seu corpo disforme, surgiram ainda outros oito deuses horrendos, e o deus do trovão (Ryujin).
Horrorizado com o que viu, Izanagi decidiu regressar, mas a própria Izanami envergonhada por sua aparência, ordenou as “Yomotsushikome” (espíritos hediondos femininos) a perseguirem o deus.
Na fuga do mundo dos mortos, Izanagi tirou uma grinalda de sua cabeça e a atirou ao solo convertendo-a em um cacho de uvas. As Yomotsushikome começaram a comê-las dando a Izanagi uma dianteira, mas logo o alcançaram novamente, de modo que ele rompeu a presilha de sua cabeleira e atirou-a ao solo transformando-a em brotos de bambu, provocando as Yomotsuhikome que as comessem. Elas pararam e começaram a brigar entre si pelo broto de bambu e assim Izanagi pôde livrar-se de suas algozes horrendas.
Irada por Izanagi não ter respeitado os seus desejos, Izanami enviou ainda o deus do trovão, e um exército de mil e quinhentos guerreiros ferozes do Yomi para continuar a perseguição. Enquanto corria Izanagi desembainhou sua espada de dez palmos e brandiu com ela, fazendo um barulho ensurdecedor a ponto de fazer cair muito dos guerreiros que o perseguiam. Ao chegar a “Yomotsu-hirasaka” (a ponte que ligava Yomi a terra dos vivos), Izanagi tomou três “melocotones” de uma árvore que tinha crescido naquele lugar e golpeou com eles os seus perseguidores que fugiram.
Izanagi conseguiu escapar, bloqueando com uma gigantesca pedra a passagem entre o mundo dos mortos e o mundo dos vivos. Então, Izanami surge ameaçadora a sua frente, cruzando seus olhares pela última vez, a deusa ameaça: “Se continuar a comporta-te deste modo, estrangularei e farei morrer em um único dia, mil homens em tua terra!”, ao que Izanagi retruca e diz: “Em troca mil e quinhentos homens nascerão!”. Sendo essas palavras consideradas uma alusão ao ciclo de vida e morte da humanidade.

O Nascimento da Nobre Trindade: Amaterasu, Tsukuyomi e Susanoo
Amaterasu, Tsukuyomi e Susanoo
Ao retirar-se do Yomi, Izanagi sentiu-se imundo por causa do seu contato com os mortos, e decidiu tomar um banho para se purificar, realizando o Misogi (Cerimônia Xintoísta da purificação). Enquanto se banhava no rio Ahakihara, em Tachibana-no-Ono, no país de Tsukushi, de suas vestes colocadas no solo, outras divindades nasceram, deuses e deusas, tanto do bem como do mal.
Por fim, de seu último ato de purificação, nasceram os três deuses mais importantes do Xintoísmo: Amaterasu-ōmikami “Augusta Deusa do sol”; Tsukuyomi-no-mikoto “O Deus da lua”; e Takehaya-susanoo-no-mikoto “Deus do mar”. A deusa do sol Amaterasu, nasceu de seu olho esquerdo, o deus da lua Tsukuyomi, apareceu de seu olho direito, e Susanoo surgiu de seu nariz. Orgulhoso com o nascimento de seus três nobres filhos, os três deuses, chamados Mihashira-no-uzu-no-miko “Três filhos ilustres”, Izanagi dividiu seu reino entre eles.
Logo após o nascimento da tríade, Izanagi decidiu atribuir uma tarefa a cada um deles: para Amaterasu ele entregou um colar sagrado que simbolizaria o poder divino, tornando-a deusa do Sol a habitar o céu, enquanto para Tsukuyomi ele atribuiu a Lua, tornando-o deus da noite, a Susanoo, ele entregou o comando dos Oceanos. Por fim Izanagi dá por concluída sua missão da criação, e parte para a ilha de Ahaji, onde passou a viver em total reclusão.



Um comentário:

  1. A mais detalhada versão da lenda que li até hoje. Muito bom.

    ResponderExcluir